Segunda-feira, 23 Julho 2018  02:19:55

Pesquisadores da Embrapa, NASA e FDC debatem Inovação

  • Escrito por  Luiz Felipe Cordeiro*

Na última semana, a Embrapa Instrumentação promoveu um evento para discutir um dos temas centrais para o desenvolvimento e a competitividade de países e empresas: a inovação. Além de pesquisadores da própria Embrapa, a mesa-redonda contou com a participação de Ivair Gontijo, pesquisador do Jet Propulsion Laboratory (JPL), da agência espacial americana (NASA), e de Carlos Arruda, coordenador do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral (FDC).

A pesquisadora Débora Milori e o pesquisador Ladislau Martin Neto, ambos da Embrapa, foram os responsáveis pela organização da mesa-redonda.

“A CAMINHO DE MARTE”: Em sua apresentação, Gontijo abordou o tema central do seu livro “A Caminho de Marte”: a trajetória da sua vida partindo de Moema, no interior de Minas Gerais, até os EUA, nos laboratórios da NASA, onde trabalha desde 2006.

Mostrando fotos e vídeos, o físico brasileiro mostrou alguns detalhes da missão “Curiosity”, que pousou em Marte em 2012 para explorar a superfície do planeta.   Esse é um dos seus trabalhos mais conhecidos, quando liderou a equipe que construiu os transmissores e receptores do radar utilizado na descida do robô da NASA em Marte.

“Foi um gol que demorou dez anos para acontecer”, disse Ivair Gontijo ao mostrar um vídeo da sala de controles da Agência Espacial Americana no momento em que o robô tocava o solo avermelhado de Marte. Essa frase sintetiza não apenas essa conquista da NASA, mas todo e qualquer esforço de aprendizagem, desenvolvimento e inovação: é preciso tempo, dedicação, persistência para alcançar os objetivos. E a trajetória de Gontijo, narrada em seu livro e resumida em sua palestra, é um testemunho disso.

Depois do ensino médio, ele passou três anos trabalhando como administrador de fazendas. Decidido a estudar física, mudou-se para Belo Horizonte, fez 6 meses de cursinho, entrou na Universidade Federal de Minas Gerais, estudou na Escócia, trabalhou nos EUA, e seguiu, de pesquisa em pesquisa, de desafio em desafio trilhando o caminho até Marte.

Atualmente, Gontijo participa do projeto Mars 2020, que vai enviar ao planeta vermelho um veículo semelhante ao Curiosity. A Mars 2020 usará o mesmo processo para levar à Marte um veículo coletor de amostras, que deverão ser trazidas para a Terra em uma outra oportunidade.

O LADO NEGATIVO: A inspiradora trajetória pessoal de Ivair Gontijo, no entanto, não reflete a trajetória do país no caminho da inovação. “Vou falar de outro planeta; um planeta não tão fantástico como Marte; vou falar da realidade do Brasil”, disse Carlos Arruda no início da sua palestra.

Coordenador do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral, ele explicou que desde 1996 acompanham aspectos relacionados à competitividade em empresas no Brasil. Desse acompanhamento, eles concluíram que os fatores que dificultavam a competitividade das empresas estão muito mais relacionados a aspectos regulatórios e institucionais que o Brasil oferece do que a condições internacionais, ou aspectos ligados à própria empresa.

“De 63 países, o Brasil está em 57ª posição (...) As condições que o Brasil oferece para que a gente possa se beneficiar da quarta revolução industrial é bastante preocupante (...) Estamos em uma posição muito ruim, e estamos perdendo posição a cada ano; estamos sendo cada vez menos adequados para desenvolvimento competitivo do ponto de vista da transformação tecnológica. O risco disso é a perda de cérebros, como Ivair Gontijo; a não capacidade do país de reter, desenvolver e sustentar pessoas como ele e instituições como a Embrapa”, diz Arruda: “Estamos em um contexto muito especial. São Carlos é uma exceção: a realidade brasileira não é São Carlos; a realidade brasileira é essa realidade que descrevi”, diz  Carlos Arruda.

 

EMBRAPA

No evento, a convergência entre a tecnologia espacial e a inovação foi demonstrada com a tecnologia AGLIBS, um equipamento pioneiro para análise de solos baseado na tecnologia LIBS, a mesma utilizada pela NASA no Rover Curiosity, levado à Marte. O tema ficou sob a responsabilidade da física da Embrapa Instrumentação, Débora Milori, e do CEO da Agrorobótica, Fábio Angelis.

Para fechar o evento, houve o lançamento do Siagro 2019, pelos pesquisadores Silvio Crestana, Ladislau Martin Neto e Débora Milori. O simpósio pretendeu ampliar a discussão sobre a fronteira da ciência e a inovação agropecuária, com a participação de convidados do Brasil e do exterior. (*com informações da Assessoria de Imprensa da Embrapa).

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

PUBLICIDADE

Atlântica

PUBLICIDADE

Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.