Segunda-feira, 24 Setembro 2018  13:43:54

Dia Internacional da Mulher é comemorado com atividades e reflexões

  • Escrito por  DA REDAÇÃO

“Um dia para lembrar a luta”. “Dia bem especial”. “Todo dia é dia da mulher”. “Nós não desistimos jamais”. “Eu tive coragem”. “Nossa representatividade ainda é pequena”. As frases foram ditas ao longo do dia, por mulheres de várias classes sociais, durante as atividades em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

 

Pela manhã, na Fundação Educacional São Carlos (FESC), foram desenvolvidas atividades físicas com participação dos grupos do SOAF (Serviço de Orientação de Atividade Física) e da Capoterapia. Na Praça Outubro Rosa, socialização com o grupo do Centro de Referência do Idoso “Vera Lúcia Pilla”. Um café da manhã com as mulheres da Casa Abrigo e durante a tarde, palestra e homenagens às mulheres no Paço Municipal.

Dona Solange Cruz estava animada. “Dia bem especial. Dia onde todas nós somos lembradas, independente de cor, raça, credo. Um dia para estarmos juntas”, afirmou. A aposentada Ailsa Aparecida Beltrame diz que é um dia importante para as mulheres, mas não deveria ser assim. “O dia da mulher é todos os dias, mas tem muitos que só nesse dia lembra da gente”.

“Temos que mostrar que não desistimos nunca. Comemorar que as mulheres saíram de casa, que estão participando das atividades, estão felizes, continuam ativas e com tudo isso, são pessoas que não procuram os postos de saúde, o trabalho vale por tudo isso”, disse Nilva Rodrigues, coordenadora do Centro de Referência Vera Lúcia Pilla.

Num dia festivo, as diferenças não são esquecidas. “Hoje, somos mais lembradas. Mas acredito que temos que ser mais valorizadas. Afinal, nós fazemos o trabalho igual ao homem e ainda ganhamos menos. Também tem o fato da mulher trabalhar fora e ter que assumir todo o trabalho de casa”, falou a aposentada Diva Natalina Gargarela. Ela tem razão, dados da OIT (Organização Internacional do Trabalho), as mulheres trabalham semanalmente 7,5 horas a mais do que os homens, incluindo as tarefas domésticas.

A preocupação com a violência também aparece nos discursos. Mesmo aquelas que não passaram por alguma situação acabam falando sobre o assunto. Para as vítimas de violência, um dia de acalento. Hoje, a Casa Abrigo de São Carlos tem seis mulheres abrigadas. Para todas elas, esse Dia Internacional da Mulher é especial, elas estão livres da violência. “Um dia que nos dá força. Que estimula a não querer apanhar mais, a denunciar, a ter coragem. Quero que as mulheres que sofrem alguma agressão denunciem. Não tenham medo. Tem uma rede de apoio para te acolher”, conta a abrigada há seis meses. Sua “vizinha” compartilha o discurso. “É um dia especial. Maravilhoso. Hoje, me sinto mais segura, pois tem alguém para estar junto comigo. Não tenho família, mas tive coragem, a coragem que só nós, mulheres, temos. Por meus filhos, a vida tem que seguir. Acredito em Deus e que tudo dará certo daqui para frente”.

Dados da Organização Mundial de Saúde estimam que, no Brasil, ocorram 5 femicídios para cada grupo de 100 mulheres. “É um dia de atividades e também de refletir. Pensar em todas aquelas mulheres que são vítimas de violência. Quando elas chegam a Casa Abrigo estão muito fragilizadas e o risco de morte é grande. Precisamos juntas, pensar em possibilidades, em como a gente avança nas políticas públicas”, afirmou Glaziela Solfa, secretaria de Cidadania e Assistência Social.

O Dia Internacional da Mulher é um dia de comemoração, mas também de mobilização, pois muitos direitos ainda precisam ser conquistados. A vereadora Laíde das Graças Simões que participou do evento no Paço Municipal falou sobre isso. “É com muita honra que participo desse evento representando a Câmara Municipal de São Carlos formada por dezenove homens e apenas duas mulheres. A nossa caminhada tem alcançado grandes avanços e temos que acreditar que as mudanças acontecerão, ao seu tempo. Chegará um dia que o fato da mulher ser presidente do Supremo, da OAB, da Assembleia Legislativa, das Câmaras não causará espanto e surpresa. Hoje, ainda estamos na fase da primeira isso, primeira aquilo. Vamos trabalhar para que nossos direitos sejam preservados”, afirmou Laíde. Com auditório cheio, a vereadora convocou as mulheres a participarem mais da política e lembrou. “A representação feminina em São Carlos é muito pequena. Em 153 anos de existência da Câmara, foram somente 9 mulheres cumprindo seus mandatos”.

Para a presidente interina do Fundo Social, Andreia Rosa, o dia é de luta e de fortalecer nossas escolhas. “Hoje é uma data para lembrar a luta das mulheres, no mundo todo. Luta por condições dignas de trabalho, igualdade de  justiça. Já fizemos nossas escolhas, o que ainda precisa ser conquistado é o direito de vivê-las sem questionamentos ou cobranças por essas escolhas. A aceitação e o respeito devem prevalecer livres de julgamentos ou rótulos. Nós temos direito”, concluiu.

Dando continuidade às comemorações do Dia Internacional da Mulher, no sábado, 10/03, a Prefeitura de São Carlos irá realizar uma série de atividades, das 9h às 12h, na Praça do Mercado Municipal.

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

Código de segurança
Atualizar

PUBLICIDADE

Atlântica

PUBLICIDADE

Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.