Terça-feira, 22 Agosto 2017  16:44:45

Pin-up: questão de estilo de vida

  • Escrito por  Patricia Ribeiro

Mulheres exuberantes, em lingeries sensuais, porém pouco reveladoras, cinta-liga, salto alto, cabelos glamorosos e batom vermelho. Esses são os componentes que formam as conhecidas pin-ups, termo usado para representar as jovens de ar inocente com um toque provocativo e sensual da década de 40. Até hoje esse comportamento ainda é admirado e algumas pessoas o adotam como estilo de vida.   

As pin-ups ficaram conhecidas pelo sucesso que faziam entre os homens da época, principalmente entre os soldados norte-americanos da Segunda Guerra Mundial, que colecionavam e admiravam suas fotos e pôsteres, que em geral eram atrizes e cantoras da época. Suas principais representantes foram Marylin Monroe, Bettie Page, Rita Hayworth, Sophia Loren, entre muitas outras.

O que mais marcou o visual das pin-ups foram as cinturas finas, as pernas grossas, os cabelos volumosos e olhares inocentes.

As pin-ups de hoje usam roupas e acessórios retrô com estilo vintage, batom vermelho, delineador tipo gatinha, cabelos volumosos, cintura marcada com espartilhos, lenços amarrados como tiara e muitas usam piercings e são tatuadas. “Para buscar inspirações, a dica é assistir a filmes antigos, pesquisar sobre celebridades da época e da atualidade, que ainda hoje usam o estilo e buscar por lojas especializadas em roupas vintage e retrô”, afirma a design e pin-up Greice Domingues.

Segundo a técnica de informática Celice Lopes, que adota o estilo pin-up há seis anos, ser uma verdadeira pin-up não consiste apenas em se vestir como tal, é uma questão também de estilo de vida. “Quando comecei a me interessar por esse universo, me encantei primeiramente pelas músicas, pela questão histórica e difusão social. A partir disso, para adotar o visual foi um pulo, o figurino me encanta, pois tem a questão do ser sexy, sem ser vulgar ou precisar estar nua. Uma coisa leva a outra e você passa a se comportar como tal. Leva um tempo até que a pessoa consiga ter esse estilo e juntar um acervo de peças. É preciso estudar e pesquisar sobre o tema para montar um visual adequado, no meu caso fica mais fácil, pois, eu mesma passei a confeccionar minhas próprias peças”.

“Fui casada com um tatuador que sempre comprava revistas importadas de tatuagem e a maioria delas tinha artigos sobre os anos 50 e a cultura ‘custom’ que temos hoje. Um tempo depois vi que faltava algo em minha vida, e descobri que era adotar de vez esse estilo e toda a ideologia. Foi amor à primeira vista e essa é a minha vida. Minha maior inspiração é a diva Bettie Page, modelo da década de 50, uma verdadeira pin-up”, conta a garçonete Dixie Rebel, pin-up desde 1998.

Última modificação em Sexta, 01 Junho 2012 09:32

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

PUBLICIDADE

Atlântica
Bogas

PUBLICIDADE

Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.