Domingo, 22 Abril 2018  08:34:36

Prestação de Serviços gera 48% dos empregos em São Carlos

  • Escrito por  Marco Rogério

São Carlos caminha para uma rápida mudança de perfil econômico. Mesmo contando com um forte polo fabril e uma agropecuária importante, o setor de prestação de serviços é o que mais gera empregos formais, abrigando 48,28% da mão-de-obra local. Além disso, o segmento também é o que paga a melhor média salarial, que chega a R$ 3.637,75. Entre as empresas de serviços destacam-se Latam (manutenção de aeronaves), Serasa Experian (serviços de crédito), Mapfre (seguros) Unimed (cuidados médicos), empresas e terceirização de mão-de-obra,  além de vários restaurantes, churrascarias, pizzarias e etc.

Os dados são da Fundação Seade na pesquisa “Perfil dos Municípios Paulistas”, no item que trata de “Emprego e Rendimento”.  A indústria vem em segundo lugar. Esta área emprega 24,63% dos são-carlenses e paga salário médio de R$ 3.130,75. O parque fabril de São Carlos abriga multinacionais, como Electrolux, Faber Castell e Tecumseh, além de empresas nacionais, como a Hece Máquinas, a Engemasa, a Latina Eletrodomésticos, a Papel São Carlos, a Tecelagem São Carlos, entre outras.

O comércio varejista de São Carlos responde por 20,13% dos empregos formais do município e paga salário médio de R$ 1.860,00. Muito atrás vem o setor da construção, empregando 4,07% dos trabalhadores e pagando salário médio de R$ 2.322,63. Na última posição vem a agropecuária, que emprega 2,89% do total de funcionários e paga salários médios de R$ 1.820,96.

Para o secretário municipal de Trabalho, Emprego e Renda, Walcinyr Bragatto, os dados do Seade confirmam a tendência de São Carlos de se transformar de uma cidade industrial para um município muito forte no segmento de prestação de serviços. Ele afirma que a localização do município, na Região Central Paulista e a presença de duas universidades públicas, acabou gerando este grande desenvolvimento

“Além disso, tivemos a felicidade de, em pouco tempo, receber grandes investimentos, como o call center da Mapfre e também a sede operacional da Serasa Experian. São empresas muito fortes no setor de serviços. Na área médica vivemos a grande expansão da Unimed, que agora comprou o prédio da Casa de Saúde. No segmento aeronáutico temos a Latam, que com a internacionalização do Aeroporto Mário Pereira Lopes dará um rápido salto de 15% nos seus negócios, gerando mais emprego e renda. E temos ainda o setor logístico, a nossa contabilidade que é muito forte com vários escritórios. Isso sem falar da área de alimentação que reúne grandes lanchonetes, como Habib’s e McDonald’s, além de inúmeras pizzarias, restaurantes e churrascarias”, ressalta Bragatto.

Para o secretário o desafio é cada vez mais qualificar e requalificar mão-de-obra para atender as demandas do mercado, que vão das mais simples, como formar pedreiros, cozinheiros e confeiteiros em parcerias com o SENAC e com o Governo do Estado no programa “Via Rápida Emprego” e no Centro Paula Souza, até cursos mais complexos, como mecânica de automóveis e de motocicletas e até mesmo de cursos de mecânica de aviões, que são oferecidos pela Unicep e também pelo Instituto Federal de São Carlos. “Temos que estar atentos e apoiar a formação de profissionais que atendam à demanda do mercado”, destaca o secretário.

 

A distribuição dos empregos formais em São Carlos

Serviços – 48,28%

Indústria – 24,63%

Comércio – 20,13%

Construção – 4,07%

Agropecuária – 2,89%

 

A média salarial dos setores

Serviços – R$ 3.637,75

Indústria –  R$ 3.130,07

Construção – R$ 2.322,63

Comércio  - R$ 1.860,00

Agropecuária – R$ 1.820,96

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

PUBLICIDADE

Atlântica

PUBLICIDADE

Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.