Quarta-feira, 22 Novembro 2017  10:44:17

A que ponto chegamos

  • Escrito por  Redação

O Brasil passa por uma circunstância bizarra, que nos colocou no dilema entre nos lançarmos entre uma instabilidade séria ou nos mantermos em uma estabilidade circense. E a maior parte dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral, na última sexta-feira, optou pela estabilidade circense. E tudo isso ficou claro e cristalino no voto do Gilmar Mendes. 

Para qualquer pessoa que acompanhou as votações fica a impressão esquisita de que os dois blocos de ministros – os três que votaram a favor da cassação e os quatro que foram contra – estavam na verdade falando de fatos muito diferentes e é impossível não nos perguntarmos: como é possível, diante de uma mesma realidade, existirem interpretações tão diferentes. E é quase impossível deixar de sentir que há algo muito errado em tudo isso. 

No Globo, o jornalista Ricardo Noblat aponta a estratégia de Michel Temer para sair impune no TSE, o que lança alguma luz sobre esse estranhamento: "Antes, um ministro amigo do governo pedira vista do processo, dando tempo assim para que dois colegas [Henrique Neves e Luciana Lóssio], supostamente favoráveis à impugnação da chapa, fossem substituídos por outros mais confiáveis [Admar Gonzaga e Tarcisio Vieira]. Então no país da jabuticaba, tida como uma fruta nativa, o que jamais foi, inventou-se a investigação para não punir ninguém. A investigação pelo simples prazer de investigar. A investigação por pura curiosidade. Foi o primeiro julgamento onde possíveis criminosos acabaram absolvidos por excesso de prova". 

Claro que ninguém gostaria de lançar o país em uma instabilidade, do mesmo modo que ninguém gostaria de passar por abalos e tragédias pessoais. Mas o fato é que elas acontecem, e varrer as coisas para debaixo do tapete, esconder-se da realidade difícil e desafiadora não costuma ser a mais sábia decisão. Mas a elite do país não tem primado pela sabedoria já há algumas décadas. 

 

Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

PUBLICIDADE

Atlântica
Anacã
Bogas
Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.