Terça-feira, 21 Novembro 2017  13:12:02

Direitos em segundo plano

  • Escrito por  Redação

O procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, em entrevista à revista Exame, num momento em que a operação recebe diversos golpes, fez críticas muito sérias "à lentidão do sistema judiciário", que ele disse ser o principal entrave às investigações de corrupção.

"Essa ineficiência gera um sistema prescricional que, em razão da demora nos processos, acaba favorecendo a impunidade. Além disso, as penas relativas aos casos de corrupção são baixas, e não raro o réu é solto depois de cumprir 25% da pena. Por exemplo, personagens centrais do mensalão, como José Dirceu, Valdemar da Costa Neto e Pedro Henry, tiveram penas de pouco mais de sete anos de prisão. Um ano depois já começaram a cumprir prisão domiciliar. Dois anos depois já estavam indultados. É um sistema que coloca os direitos da sociedade em segundo plano e o dos indivíduos em primeiro", afirmou. 

Ao mesmo tempo, ele listou avanços institucionais da Lava Jato, tais como a proibição do financiamento empresarial das campanhas eleitorais; e a possibilidade de execução da pena após a confirmação da condenação criminal em segunda instância. Um dos avanços pendentes é o da redução do foro privilegiado ao mandato vigente dos políticos. “A votação no STF foi suspensa em 1º de junho, depois de o ministro Alexandre de Moraes pedir vista do processo — quatro dos 11 ministros já votaram a favor da restrição”, lembra O Antagonista. 

Os ataques à Lava Jato e a tentativa de enfraquecê-la vêm de parte daqueles que, definitivamente, colocam os direitos da sociedade em segundo plano. 

 

Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário

Atenção

• Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post e são de inteira responsabilidade de seus autores.

• Não representam necessariamente a opinião deste jornal.

PUBLICIDADE

Atlântica
Prefeitura Dengue v2
Prefeitura Dengue v1
Bogas
Jornal 1ª Primeira Página. Todos os direitos reservados.