28 de Maio de 2022

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Internautas não apoiam paralisação de estudantes da USP

Internautas não apoiam paralisação de estudantes da USP

21/11/2011 12h32 - Atualizado há 11 anos Publicado por: Redação
Internautas não apoiam paralisação de estudantes da USP
A maioria dos internautas que acessaram a enquete na página principal do portal www.jornalpp.com.br não aprova a paralisação dos alunos da USP de São Carlos. Foram 75,9% votos contrarios a paralisação e a manifestação realizada pelos estudantes. 24,1% disseram ser favoráveis aos alunos da USP. 
Na tarde de quinta-feira (17) os alunos ligados ao CAASO – Centro Acadêmico Armando de Salles Oliveira – realizaram um passeata pela rua 15 de Novembro e avenida São Carlos. 
O movimento que contou, segundo a Prefeitura de São Carlos, com cerca de 250 alunos, voltou a atacar a Polícia Militar, a imprensa e o reitor da universidade João Grandino Rodas. Diante da sede do Jornal Primeira Página, por duas vezes, um grupo de alunos com bandeira do Caaso atacou o jornal, chamando-o de “mídia mentirosa”.

A reação dos alunos da USP se deu por causa da matéria publicada no portal do Jornal Primeira Página (www.jornalpp.com.br) no dia 10 de novembro, quando cerca de mil estudantes realizaram assembleia decidindo pela paralisação dos dias 17 e 18 de novembro. Na matéria foram relatados os ataques feitos à Polícia Militar, que alguns alunos estavam consumindo bebida alcoólica e o fato de alunos utilizarem a palavra durante o ato fazendo menção a descriminalização da maconha. Porém o tema não foi colocado em pauta pela direção do Caaso, mas em quatro falas o tema foi abordado dando apoio à descriminalização.

PASSEATA – Durante a passeata, os estudantes distribuíram uma carta aberta à população com detalhes sobre a manifestação. Os alunos acusam a reitoria da universidade de optar por decisões políticas que vão contra os interesses da comunidade acadêmica. Acusam o reitor João Grandino Rodas de implantar um projeto elitista de universidade, retirando o direito de participação estudantil. Para os estudantes, a política da atual reitoria é fechar cada vez mais a USP para ações na comunidade. Na carta aberta à população, os estudantes alegam que Rodas busca direcionar a universidade para fins privados.

PM – Novamente, a posição da Polícia Militar durante a desocupação da reitoria em São Paulo foi criticada pelos estudantes. Segundo os estudantes, a PM comete crimes e jamais prestará serviços de segurança à população. Para eles, a Polícia Militar não representa a democracia e está participando de um projeto para acabar com a liberdade dentro da universidade.

IMPRENSA – A imprensa também foi alvo de críticas pelos líderes do movimento estudantil. Na carta aberta, os estudantes acusam a imprensa de desviar o foco das discussões da universidade e distorcer os fatos.  “A imprensa passa a imagem que estudantes são baderneiros, arruaceiros. A mídia mente para a população”, afirmou um dos representantes do Caaso, que não quis se identificar.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x