25 de Setembro de 2021

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Mais de 10,5 mil são-carlenses deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

Mais de 10,5 mil são-carlenses deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

O número é preocupante, tendo em vista que a pandemia da Covid-19 ainda não está sob controle

14/09/2021 13h24 - Atualizado há 2 semanas Publicado por: Redação
Mais de 10,5 mil são-carlenses deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19 Foto: Divulgação

Dados do sistema Vacivida, do governo do estado de São Paulo, apontam que 10.522 são-carlenses deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19. O número é preocupante, tendo em vista que a pandemia da Covid-19 ainda não está sob controle e tomar as duas doses é fundamental para garantir uma proteção mais alta.

Para o médico infectologista, mestre em medicina tropical e saúde internacional, Victor Bertollo em entrevista ao Ministério da Saúde, a segunda dose da vacina Covid-19 aumenta a resposta imune na produção de anticorpos contra o vírus. Ele lembra ainda que as vacinas são seguras, o que foi demonstrado por estudos mesmo antes da introdução dos imunizantes no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“O risco de apresentar formas graves pela Covid-19, após a segunda dose, se reduz significativamente. Então, completar o esquema vacinal é extremamente importante. Lembrando que as vacinas não protegem apenas o vacinado, mas também as pessoas ao seu redor. Então, se vacinar é ato individual de proteção, mas também coletivo. É um ato que todos saem ganhando”, destacou Bertollo.

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, todos os agentes imunizantes disponíveis no PNI são extremamente eficazes, efetivos e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Para ele, vacina boa é a vacina aplicada no braço do povo brasileiro.

“Tenho me portado de maneira absolutamente isonômica em relação aos quatro imunizantes que estão disponíveis aos brasileiros. Já avançamos muito na vacinação, mas precisamos do apoio de quem ainda não foi receber a segunda dose, que compareça ao posto de vacinação. Assim, vamos poder avançar ainda mais”, contou o ministro.

Entre os motivos de a população não retornar ao posto para tomar a segunda dose estão os efeitos colaterais relatados. Há quem tenha sentido sintomas como dores de cabeça e no corpo, febre, ou qualquer outro desconforto. Mas especialistas garantem que os efeitos da segunda dose são mais leves e autolimitados.

“A ocorrência de eventos adversos não impede que a pessoa receba a segunda dose. Apenas alguns eventos adversos muito específicos, que são bastante raros, de fato contraindicam doses adicionais das vacinas. Para algumas vacinas, como AstraZeneca e Coronavac, a tendência é que as reações sejam mais leves na segunda aplicação. Para a vacina Pfizer, especificamente, ela tem um pouco mais de reação adversa na segunda dose, mas ainda assim são eventos leves e autolimitados”, contou Vitor.

Uma dúvida muito comum também diz respeito à variante Delta. É importante ressaltar que todas os agentes imunizantes disponíveis para aplicação no Brasil são eficazes contra a Delta, principalmente nas formas mais graves da doença. As vacinas também possuem eficácia para as outras variantes, como a Alfa, Beta e a Gama.

“Mesmo vacinada, a pessoa ainda corre o risco se infectar com a variante Delta, mas a tendência é que ela tenha a forma mais leve da doença. Além disso, as vacinas reduzem muito o risco de a pessoa ter a forma mais grave da doença e vir a precisar ser internada, precisar de UTI ou mesmo morrer pela a Covid-19”, alertou.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x