1 de Julho de 2022

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Pesquisa da UFSCar sobre dor lombar crônica busca voluntários

Pesquisa da UFSCar sobre dor lombar crônica busca voluntários

Coleta de dados será remota com os participantes fornecendo resultados pela internet

08/01/2021 08h55 - Atualizado há 1 ano Publicado por: Redação
Pesquisa da UFSCar sobre dor lombar crônica busca voluntários Fotos: Divulgação e Arquivo Pessoal

O Laboratório do Estudo da Dor e Funcionalidade no Envelhecimento (Ladorfe), do Departamento de Gerontologia (DGero) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), faz um chamamento até hoje (8) para recrutar voluntários para estudo relacionado à dor lombar crônica inespecífica (DLCI) em adultos e idosos.

Os interessados – homens ou mulheres, entre 18 e 59 anos que tenham dor lombar crônica há mais de seis meses, de qualquer região do País- podem solicitar o formulário de inscrição pelo e-mail [email protected] ou acessar o endereço https://bit.ly/2K2kkls para o preenchimento.

O trabalho será realizado pela graduanda em Gerontologia da UFSCar Maria Júlia da Cruz Souza, sob orientação de Karina Gramani Say, docente do DGero e coordenadora do Ladorfe, e tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A dor lombar crônica (DLC) ocorre na região lombar inferior e pode irradiar para as pernas, com duração maior do que três meses. É considerada inespecífica quando a causa da dor não está relacionada à alteração estrutural, lesão óssea ou articular, escoliose ou lordose acentuada.

De acordo com a professora Karina, estudos de 2019 indicam que a Dor Lombar Crônica (DLC) ocorre em 70 a 80% dos adultos em algum momento de suas vidas. A literatura identificou que cerca de 23,5% da população mundial apresenta dor lombar crônica. “Em relação ao cenário brasileiro, encontrou-se valores que variam entre 4,2% e 25%, mas pela falta de estudos epidemiológicos, esses dados não refletem o real impacto da dor lombar crônica no País”.

Ela complementa: O avanço do estudo sobre Dor Lombar Crônica Inespecífica (DLCI), ainda não se tem estudos epidemiológicos que refletem o seu verdadeiro impacto no Brasil.

A neurociência ensina ao paciente a compreender o processo fisiológico da dor para encontrar mecanismo de sobrevivência para proteger o corpo. “A dor também está no cérebro e não é apenas uma sensação física”.

Como funcionará a pesquisa remota

A pesquisa é composta por cinco etapas, sendo elas: Avaliação Inicial, Educação em Neurociências da Dor (END), Exercícios do Método Pilates, Intervenção com o Aplicativo Educativo em Saúde e a Reavaliação Final.

“Em paralelo, teremos mais duas intervenções, que ocorrerá desde o primeiro até o último dia da pesquisa, que é o preenchimento do diário da dor para acompanhamento dos aspectos envolvidos com a dor que são individuais e uso da Cartilha de Orientação para manejo da dor Lombar e realização de exercícios domiciliares”.

Karina explica que para a pesquisa produz dados fidedignos, será necessário que os voluntários participem ativamente, com comprometimento de realizar todas as etapas.

“Apesar da intervenção ser remota os pacientes terão contato semanalmente com a equipe que realizará o pilates para esclarecimentos dos exercícios e com os pesquisadores para a verificação do diário da dor o que permitirá a criação de um vínculo, importantíssimo para o tratamento, mas também de suporte para algum dificuldade e orientações a todos os voluntários”, explicou a coordenadora.

No desenvolvimento do projeto, definimos que utilizaríamos um Protocolo do Método Pilates Solo, assim todos conseguem realizar todos os exercícios propostos, sem a utilização de equipamentos específicos. Mas é preciso para participar da pesquisa que os voluntários tenham acesso à internet para poderem fazer as avaliações e reavaliações e receberem as intervenções de Educação em Neurociências da Dor, aplicativo de educação em dor e exercícios do pilates.

Origem do projeto

Karina revelou: Quando a pesquisa começou a ser desenvolvida, ela foi planejada para ser executada de forma presencial, desde as avaliações à prática de exercícios, a ser realizada dentro do Centro de Referência do Atendimento Interdisciplinar da Dor, a Clínica da Dor da UFSCar que é estruturada dentro do tripé de ensino, pesquisa e assistência a comunidade.

Entretanto, com a Pandemia do COVID-19, foi necessário a adaptação total da pesquisa, de forma que a pesquisa proporcionasse resultados tão positivos quanto no presencial. “As investigações realizadas com esse estudo permitiram o ajuste ao formato remoto. Com isso, foi necessário adaptar a forma de recrutamento e seleção dos voluntários, a aplicação dos questionários e, principalmente, as intervenções com a prática de exercícios e o uso do aplicativo em saúde”, disse.

Ela ressaltou, o lado bom que aplicarão a seleção para além do município de São Carlos, podendo acolher um número maior de pessoas no País e principalmente oferta atendimento respaldado na ciência para a população que tem dor lombar que muitas vezes com o distanciamento social ficou sem atendimento e quem tem dor tem pressa.

As atividades serão iniciadas neste mês de janeiro e haverá novo grupo ao longo do ano para pessoas acima de 60 anos de idade.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigas
Mais novos Mais Votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Manoel Virginio da Silva
Manoel Virginio da Silva
1 ano atrás

Prezados fiz minha inscrição em janeiro de 2021 para a pesquisa da UFSCar sobre dor lombar crônica me enquadro nos requisitos necessários e respondi ao questionário, mas até hoje não recebi qualquer contato do Laboratório do Estudo da Dor e Funcionalidades no Envelhecimento (Ladorfe) dndo informações sobre o desenvolvimento da pesquisa e tratamento. Quando começa o tratamento? Quantos foram selecionados?

0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x