27 de Maio de 2022

Dólar

Euro

Cidades

Jornal Primeira Página > Notícias > Cidades > Repúblicas são alvos preferidos para furtos

Repúblicas são alvos preferidos para furtos

01/12/2011 13h20 - Atualizado há 10 anos Publicado por: Redação
Repúblicas são alvos preferidos para furtos

É comum nesta época de fim de ano os estudantes deixarem as suas repúblicas. Seja para viajar nas festas do fim de ano ou datas culminadas com o fim das provas das faculdades, os jovens acabam por sair de suas residências. O caso é que isso é um prato cheio para os marginais que, porventura, já estejam de olho e esperando a melhor hora para cometer furtos.É comum nesta época de fim de ano os estudantes deixarem suas repúblicas. Seja para viajar nas festas do fim de ano ou datas culminadas com o fim das provas das faculdades, os jovens acabam por sair de suas residências. O caso é que isso é um prato cheio para os marginais que, porventura, já estejam esperando a melhor hora para cometer furtos. De acordo com João Almeida, diretor da Engefort, empresa especializada em segurança de São Carlos, as repúblicas são os principais alvos, pois além de mais suscetíveis ao crime, têm mais objetos de valor. “As repúblicas acabam sendo mais vulneráveis, pois, quando alguém sai, geralmente saem todos, além de terem mais objetos de valor, como notebooks e ipads, o que não se costuma encontrar em todas as residências”, diz. Ele diz ainda que furtos são mais comuns que roubo nessa época do ano, ou seja, quando não ocorre nenhum tipo de agressão. “É muito comum, principalmente em repúblicas perto da USP e da UFSCar, os bandidos já fazerem uma vistoria para tentar se informar”, afirma. Apesar disso, Almeida relata um aumento maior na procura por instalações de sistemas de alarmes nas residências dos estudantes, o que também inibe a ação de criminosos. “A prevenção é sempre o melhor caminho para evitar dor de cabeça em relação a isso, na hora de se contrata alguém ou quando for pôr um novo morador, é sempre importante pegar referência pra ter certeza também de que o perigo não está dentro de casa”. Jaqueline Moraes trabalha em uma república próximo da USP. No total, 15 homens dividem a casa. Ela diz que nessa época de fim de ano, em que estudantes normalmente viajam, não há muito o risco de furto, pois lá alguns moradores trabalham e não pegam descanso nessa época. Porém, em um passado não muito distante, ela afirma já ter tido problemas com isso. “Há um ano, já roubaram aqui, levaram notebooks dos meninos, mas depois disso, desde que ocorreu, foram tomadas algumas medidas que inibiram completamente”. Ela relata que após esse episódio foi feito a instalação de alarmes e adquirido um cachorro também, o temido pitbull. “Desde que comprou o cachorro nunca mais aconteceu problema”. Jaqueline conclui dizendo que para ser contratada, o pessoal da república levou em consideração o fato de, dois anos antes, ela já ter feito serviços domésticos no local. Recomendações Se acaso tiver alguma assinatura de TV ou revista, mudar o endereço para evitar o acúmulo. NÃO deixar luzes acesas, apesar de uma crença das pessoas que isso inibe o ladrão, é muito pelo contrário. Sempre que possível, levar os objetos mais valiosos, como notebooks, ipads, ipods, etc. Não comentar muito com as pessoas quanto tempo vai ficar fora, evitar ao máximo fazer chegar informação aos outros. Sempre pegar referência de quem contratar ou de um novo morador, assim evita surpresas.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x