17 de Outubro de 2021

Dólar

Euro

Cultura

Jornal Primeira Página > Notícias > Cultura > ‘Drag Me as a Queen’ vai levar mulheres famosas a uma transformação radical

‘Drag Me as a Queen’ vai levar mulheres famosas a uma transformação radical

Spin-off conta com oito episódios e terá a participação das cantoras Maria Rita, Lellê, Gretchen, Karin Hils e Preta Gil

22/09/2021 11h01 - Atualizado há 4 semanas Publicado por: Redação
‘Drag Me as a Queen’ vai levar mulheres famosas a uma transformação radical Foto: Reprodução

Encontrar a diva das divas é o objetivo da série Drag Me as a Queen Celebridades, que estreou nesta última terça-feira (21) às 22h50, no canal E! Entertainment. Sob o comando das drags queens Penelopy Jean, Ikaro Kadoshi e Rita Von Hunty, o spin-off conta com oito episódios e terá a participação das cantoras Maria Rita, Lellê, Gretchen, Karin Hils e Preta Gil, além das apresentadoras Maria Eugênia Suconic e Renata Kuerten e a modelo Nicole Bahls.

“Pelo fato de as celebridades estarem habituadas com os holofotes, a dar entrevistas, falar de suas vidas, nosso grande desafio era desconstruir tudo isso e mostrar a mulher por trás dessa fama e fazê-la falar o que nunca falaria.

E, como o programa conversa sobre a existência do feminino no tempo e espaço que a gente vive, vamos mostrar como é ser mulher com milhares de olhos voltados para ela, apontando, reprimindo e dizendo o que deve ser ou deve fazer num país machista como o Brasil”, afirma Ikaro. Segundo ela, o público verá mulheres famosas de forma nunca vista. “E o público vai acompanhar a discussão de temas importantes, reflexão sobre o feminino, emoções genuínas, histórias de superação, amor e desamor, encontros e desencontros, para nos fazer pensar sobre o que estamos fazendo com nossas vidas e a relação com os outros.”

Como a versão original, Drag Me as a Queen, o derivado carrega em si mais do que simples diversão. E Rita Von Hunty procura explorar mais o assunto e joga com alguns questionamentos: “Quantos de nós nos sentimos livres e aptos a nos divertir? Com o que uma sociedade se diverte? Todos se divertem do mesmo jeito assistindo à mesma coisa?”. E conclui, afirmando que “o Drag Me não é somente sobre diversão, mesmo sendo este o tema”.

Para Rita, o programa “pode ser um convite para uma jornada e, se aceito com sinceridade e entrega, existe um deslocamento, uma troca de posição”. “Quando se funde o fazer Drag com essa ideia de conhecer o outro, é modificada a forma como se olha para si mesmo, não existe nada mais poderoso para a autoestima do que se ver em outro lugar.”

Também apresentadora do reality, Penelopy Jean revela que a temporada foi repleta de momentos engraçados e de muita emoção. “A gente riu muito e se emocionou demais, principalmente na hora da make e também na da revelação final da queen, pois, quando elas se veem transformadas, vira algo surreal”, afirma a drag.

E, antes de a primeira convidada passar pela cortina vermelha e pisar no palco dourado, uma breve apresentação sobre ela. E Ikaro começa dando dicas sobre quem está para entrar em cena. Ela revela que a convidada é cantora, tem linda voz, e que, “dizem por aí, já teve fama de antipática”, além de fazer parte de uma família incrivelmente musical e sua mãe ser um ícone insubstituível. Aí ficou fácil, e as três chamam ao palco a cantora Maria Rita, que chega e, entre as três, responde a algumas questões.

A partir desse momento, Maria Rita e as apresentadoras vão até o camarim onde a cantora passará por uma sabatina, respondendo a questões que servirão de base para que as drags tenham dados para fazer a montagem da personagem. Rita Von Hunty começa querendo saber quem foram as três mulheres da vida da cantora, e a resposta, mais que esperada, vem de pronto ao citar a mãe, Elis Regina, e a avó Rita. Em seguida, conta que Ella Fitzgerald foi um nome fundamental. “Muita gente acha que eu aprendi a cantar com a minha mãe, mas eu não ouvia minha mãe, pois era dolorido”, contou. Na sequência, vem a revelação do nome escolhido pela própria Maria Rita, entre os três que foram sugeridos pelas apresentadoras. Agora Maria Rita é Selenita.

Aos poucos, entre uma informação pessoal e outra, como o gosto pelo bordado, as drag queens vão somando os pontos para repaginar a cantora e criar seu novo visual. Primeiro surge o croqui da roupa que será feita para ela, depois, ela parte para ensaiar a performance que vai apresentar. E ainda terá a sessão de maquiagem. É um dos momentos mais emocionantes, pois Maria Rita lembra da sua infância sem a mãe, que morreu quando ela estava com 4 anos, e como foi descobrindo quem era ela por meio de materiais de arquivo, entrevistas e livros. Recorda ainda que foi difícil e que sentiu raiva, no começo da adolescência, quando soube como Elis tinha morrido. “Eu entrei num conflito até entender direito.”

E então surge Selenita em cena, montada com seu novo figurino, maquiagem cheia de brilho, que faz sua performance ao som de Beth Carvalho.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x