24 de Setembro de 2021

Dólar

Euro

Economia

Jornal Primeira Página > Notícias > Economia > Inflação nas fábricas sobe para 1,31%

Inflação nas fábricas sobe para 1,31%

Alexandre Brandão: “Grande parte dessa variação de 1,31% se explica pelo que ocorreu com os preços das indústrias extrativas”

29/07/2021 17h54 - Atualizado há 2 meses Publicado por: Redação
Inflação nas fábricas sobe para 1,31% Foto: Assessoria / IBGE

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 1,31% em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de maio foi revista de 1,00% para elevação de 0,99%.

O IPP mede a evolução dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e fretes, da indústria extrativa e de 23 setores da indústria de transformação. Com o resultado de maio, o IPP de indústrias de transformação e extrativa acumulou aumento de 19,11% no ano. A taxa acumulada em 12 meses foi de 36,1%. Ambas as variações acumuladas, tanto no ano até junho quanto em 12 meses, são as maiores já registradas na série histórica do IPP, iniciada em 2014.

Considerando apenas a indústria extrativa, houve avanço de 8,71% em junho, após a queda de 0,43% registrada em maio. Já a indústria de transformação registrou aumento de 0,76% em junho, ante elevação de 1,09% no IPP de maio.

A alta de 1,31% nos preços dos produtos industriais na porta de fábrica em junho foi puxada pelo avanço de 1,56% nos bens intermediários, segundo os dados do IPP. Sozinha, essa categoria teve impacto de 0,92 ponto porcentual (p.p.) na variação agregada do IPP. Ainda entre as grandes categorias econômicas, houve alta de 0,71% nos bens de capital em junho, com impacto positivo de 0,05 p.p. na variação agregada.

Já os bens de consumo subiram 1,01% em junho, com variação de 2,03% nos bens de consumo duráveis e 0,81% em bens de consumo semiduráveis e não duráveis. Os bens de consumo contribuíram com 0,35 p.p. no avanço agregado do IPP de junho, com impacto de 0,11 p.p. nos bens de consumo duráveis e 0,23 p.p nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

ATIVIDADES – A alta do índice no mês passado foi decorrente de avanços em 18 das 24 atividades pesquisadas pelo IBGE. A alta foi puxada pelas indústrias extrativas, cujos preços saltaram 8,71% em junho, com impacto de 0,60 ponto porcentual (p.p.) na alta agregada do IPP. “Apesar da apreciação do real, os preços dos produtos da área do petróleo ou da mineração acompanharam as elevações do mercado externo”, diz o IBGE.

Além dessa atividade, as maiores altas foram registradas em produtos de metal (2,80%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (2,60%) e minerais não-metálicos (2,50%).

Em termos de impacto, além das indústrias extrativas, as maiores influências vieram de outros produtos químicos (0,19 p.p., diante de uma alta de 2,16% em junho), produtos de metal (0,08 p p., com alta de 2,80%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (0,07 p.p., com avanço de 2,60% em junho).

Nos produtos de metal, “assim como já vem ocorrendo desde o início do ano, o aumento em junho se justifica, em grande parte, pelos maiores preços das matérias-primas utilizadas no setor, em especial o aço”.

Já no caso dos outros produtos químicos, “os resultados observados estão ligados principalmente aos preços internacionais e à variação de preços de diversas matérias-primas importadas ou não, como, por exemplo, a nafta”.

“Grande parte dessa variação de 1,31% se explica pelo que ocorreu com os preços das indústrias extrativas. Depois de dois meses consecutivos com variações negativas na comparação mês contra mês imediatamente anterior, os preços do setor subiram, em média, 8,71%, por causa da variação dos preços em dólar no mercado internacional, apesar da apreciação do real no período”, disse Alexandre Brandão, pesquisador do IBGE.

Isoladamente em junho, os maiores responsáveis pelos aumentos estão no grupo “fabricação de produtos químicos inorgânicos”, mais especificamente nos fertilizantes. Conforme o IBGE, a variação de preços nesse grupo foi de 9,33% em junho, acumulando variação de 44,81% no ano e 56,11% nos últimos 12 meses. Os preços dos outros produtos químicos tiveram a terceira maior variação de preços no acumulado do ano e a quarta no acumulado em 12 meses.

ALIMENTOS – Na contramão da alta de 1,31% no IPP de junho, os preços do setor de alimentos caíram 0,05%. Foi o primeiro resultado negativo desde dezembro de 2020, quando houve queda de 1,05%.

Ainda assim, os preços dos alimentos acumulam alta de 8,60% no ano até junho. No acumulado em 12 meses, a variação até junho ficou em 31,08%, maior que a do mês anterior (30,18%). Segundo o IBGE, os preços dos alimentos no IPP acumulam alta acima dos 30% em 12 meses desde setembro de 2020, quando essa variação estava em 32,51%.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x