Produção industrial tem maior queda

7 de março de 2012


A produção industrial brasileira caiu 2,1 por cento em janeiro ante dezembro, a maior redução mensal desde dezembro de 2008 – no auge da crise financeira global.

 

Na comparação com janeiro de 2011, a produção no primeiro mês de 2012 diminuiu 3,4 por cento, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 7.

Economistas consultados pela Reuters esperavam queda de 0,80 por cento em janeiro sobre dezembro, segundo a mediana das projeções. Para a comparação com janeiro do ano passado, a previsão era de queda de 1,5 por cento.

O dado de dezembro de 2011 ante novembro foi revisado para baixo, de alta de 0,9 por cento para aumento de 0,5 por cento. A comparação entre dezembro do ano passado e dezembro de 2010 também sofreu revisão negativa, passando a apresentar queda de 1,3 por cento, ante o 1,2 por cento informado anteriormente.

O setor industrial foi o destaque negativo dos números do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados na véspera. O PIB brasileiro cresceu 2,7 por cento em 2011, mas a indústria teve expansão de apenas 1,6 por cento no ano (frente aos 10,4 por cento em 2010), de acordo com IBGE.

Os números do PIB revelaram ainda que os segmentos industriais com pior desempenho em 2011 foram os que sofrem mais concorrência de importados, como vestuário, calçados, metalurgia e automóveis.

Preocupado com os efeitos do que chamou de “guerra cambial” sobre a indústria, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou na terça-feira que o governo prepara um pacote de medidas para estimular o setor, que abrangerá novas ações contra a valorização excessiva do real.

Na quinta-feira passada, o governo brasileiro anunciou duas medidas para frear a apreciação da moeda, que ameaça os exportadores e a indústria como um todo.

Nesta quarta-feira, 7, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve anunciar mais um corte na taxa Selic, hoje em 10,50 por cento ao ano. No mercado financeiro, as apostas nos últimos dias dividiam-se entre mais um corte de 0,50 ponto percentual e uma redução maior, de 0,75 ponto.

 

 

 

comments icon 0 comentários
bookmark icon

Write a comment...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *