Taekwondo busca seis medalhas

14 de outubro de 2011


Taekwondo brasileiro está pronto para mais um desafioDepois de registrar, no Rio 2007, seu melhor desempenho na história dos Jogos Pan-americanos, com a conquista de quatro medalhas, o taekwondo brasileiro está pronto para mais um desafio na competição. Neste sábado, 15, a equipe do Brasil, com representantes em seis das oito categorias, estreia nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara confiante em mais um bom rendimento, embora o técnico Fernando Madureira prefira não fazer prognósticos. Mas ele afirma que a preparação da equipe na temporada 2011 foi a melhor possível.

“O Pan-americano é um torneio difícil, mas o grupo está bem preparado e focado na competição. Conseguimos fazer uma preparação adequada e a fase final de treinos na altitude foi muito proveitosa. Como acompanho o grupo desde 2004, a comunicação é bem mais fácil. Consigo abordá-los no momento certo em que estão prontos para absorver a informação”, explicou Fernando, de 41 anos, 30 deles dedicados ao taekwondo. No Pan do Rio, o treinador acompanhou a conquista da medalha de ouro por Diogo Silva, as de prata por Natália Falavigna e Márcio Wenceslau e de bronze por Leonardo dos Santos.

Com duas medalhas em duas edições do Pan (foi bronze também em Santo Domingo 2003), Diogo Silva (-68kg) sabe que o caminho até o pódio será disputado. Aos 29 anos, o atleta quer ser o primeiro brasileiro a conquistar o bicampeonato dos Jogos no taekwondo. “Estou mais experiente e confiante num bom resultado. Embora a competição tenha um nível forte, minha preparação foi muito boa e sei que posso brigar pelo ouro”, afirmou Diogo, que já está classificado para os Jogos Olímpicos Londres 2012.

Já a paranaense Natália Falavigna (acima de 67kg), campeã mundial júnior e adulta e medalha de bronze em Pequim 2008, fez sua preparação final na cidade americana de Sugar Land. “Este período nos Estados Unidos me proporcionou desenvolvimento técnico e tático. Além disso, suportei grandes exigências físicas nas cargas de treinamento. Estou numa fase em que quero voltar a lutar. Estou feliz por voltar a fazer aquilo que mais gosto”, comentou Natália, de 27 anos, que depois de se recuperar de uma ruptura do ligamento do joelho direito, fez parte de sua preparação no Centro de Treinamento Time Brasil, no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro.

Nas últimas quatro edições dos Jogos, os irmãos Wenceslau se revezam como titulares na categoria -58kg. Em Santo Domingo 2003, Marcel, de 30 anos, foi o representante, enquanto em Winnipeg 1999, Rio 2007 e agora em Guadalajara 2011 a vaga ficou com Márcio, de 31. “Hoje sou o titular, mas trabalhamos como uma equipe. O apoio dele é fundamental para que eu consiga alcançar meus objetivos. Nos últimos doze meses, tive bons resultados e agora quero uma medalha no Pan. Vou fazer de tudo para que seja de ouro”, destacou Márcio, que recebeu o Prêmio Brasil Olímpico como o melhor atleta do taekwondo em 2010.

Dos seis atletas que irão representar o Brasil, três participam da competição pela primeira vez: as paulistas Kátia Arakaki (-49kg) e Raphaella Galacho (-67kg) e o fluminense Douglas Marcelino (-80kg).

Aos 31 anos, Douglas se diz mais experiente, o que pode contar muito nos momentos decisivos da luta. “Na minha categoria, 90% dos atletas têm chance de brigar pela medalha. Mas vim aqui com o objetivo de ganhar a de ouro e vou lutar muito por isso”, enfatizou. “Eu também estou muito bem preparada, tranqüila e totalmente focada nas minhas adversárias, embora saiba que é uma competição difícil”, assegurou Kátia, de 25 anos. Caçula do time, Raphaela garante estar tranquila. “Sei que posso surpreender minhas adversárias. Estou com a confiança lá em cima e o meu objetivo é ganhar uma medalha”, finalizou Raphaella, de 21 anos. (cob.com.br)

Foto: Gaspar Nóbrega/Inovafoto/COB{jcomments on}

comments icon 0 comentários
bookmark icon

Write a comment...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *