17 de Outubro de 2021

Dólar

Euro

Coronavírus

Jornal Primeira Página > Notícias > Coronavírus > Rússia e Paquistão registram recorde de novas infecções pelo novo coronavírus

Rússia e Paquistão registram recorde de novas infecções pelo novo coronavírus

02/05/2020 11h35 - Atualizado há 1 ano Publicado por: Redação
Rússia e Paquistão registram recorde de novas infecções pelo novo coronavírus Foto: Reprodução

A Rússia e o Paquistão registraram neste sábado (02) recorde de novos casos de infecção pelo novo coronavírus. A Rússia reportou 9.633 novos casos de infecções, o que representa um aumento de 20% em relação à contagem da última sexta-feira (1º). O Paquistão anunciou neste sábado 1.297 novos casos.
A Rússia agora contabiliza um total de 124.054 casos, com 15.013 recuperações e 1.222 mortes. Acredita-se, no entanto, que o número de infectados no país seja maior porque não são feitos testes em todos os suspeitos e a precisão dos testes russos é da ordem de 70% a 80%. Os casos confirmados de infecção atingiram também o governo russo, com o primeiro ministro e o ministro da construção relatando que haviam contraído o vírus.
Há crescente preocupação em Moscou com a possibilidade de os hospitais ficarem sobrecarregados e o prefeito da cidade disse que as autoridades estão considerando estabelecer hospitais temporários em complexos esportivos e shopping centers para lidar com o fluxo de pacientes.
No Paquistão, por sua vez, o total de casos chegou a 18.114. O aumento coincide com a ampliação dos testes. O governo informou que mais de 9 mil testes foram realizados nas últimas 24 horas. O primeiro ministro Imran Khan indicou a meta de 20 mil por dia.
A China, onde a pandemia começou em dezembro, relatou um único novo infecção neste sábado, prolongando um declínio constante no número de casos confirmados. Já a Coreia do Sul relatou seis novos casos neste sábado. Ambos os países estão reduzindo os controles e reavivando a atividade econômica.
O vírus matou mais de 238 mil pessoas em todo o mundo, incluindo mais de 65 mil nos Estados Unidos. Especialistas em saúde alertam que uma segunda onda de infecções pode ocorrer, a menos que os testes sejam fortemente ampliados.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x