21 de Outubro de 2020

Dólar

Euro

Miltinho de Carvalho

Jornal Primeira Página > Notícias > Miltinho de Carvalho > Coluna Miltinho de Carvalho – 22/09/2020

Coluna Miltinho de Carvalho – 22/09/2020

22 de Setembro de 2020 às 08:26 Publicado por: Redação
Coluna Miltinho de Carvalho – 22/09/2020

Humor

Dois caipiras estavam na rua e avistaram um aglomerado de gente; e um caipira perguntou ao outro:

– Ô cumpadi, como é que a gente vai ver o que aconteceu?

O outro responde:

– Cumpadi, vem comigo que eu tive uma ideia;

E lá foram os dois gritando:

– Sômo parente da vítima, sômo parente da vítima.

Chegando lá eles viram que era um jumento atropelado.

 

Morre em Belo Horizonte o cantor sertanejo Parrerito

O cantor sertanejo Eduardo Borges, ‘Parrerito’, faleceu no último dia 13 de setembro em Belo Horizonte (MG).

Cantor, violonista e violeiro, Élcio Neves Borges nasceu em São Fidélis, no estado do Rio de Janeiro, em 1942. Iniciou sua carreira na década de 1960, fazendo dupla com Flor da Índia, Baianito, Criolo e Creone, este último com quem formou o conjunto sertanejo Trio Parada Dura a partir de 1976, ao lado de Mangabinha.

Em 6 de setembro de 1982, um acidente de avião na cidade de Espírito Santo do Pinhal, interior do estado de São Paulo, deixou Barrerito paraplégico. Seu irmão, Parrerito, assumiu o lugar no trio durante o período em que esteve ausente e, posteriormente, em 1987.

Iniciou carreira solo como o “Cantor das Andorinhas”, em 1987, quando gravou seu primeiro LP, chamado Onde Estão Os Meus Passos, pela Copacabana, com destaque para a faixa-título, em parceria com Carlos Randall e Nilza Carvalho. Barrerito gravou 9 LPs pelos selos Copacabana e RGE. Ganhou dezenove discos de ouro e oito de platina, sempre com a ajuda de Nilza Carvalho, com quem viveu maritalmente até 1990.

Era o único artista que gravava um LP em apenas 24 horas, o que causava surpresa nos técnicos da gravadora. Apesar de ser paraplégico, o cantor era muito vaidoso: usava anéis e colares de ouro, além de cortes de cabelo incomuns. Em 1991, chegou a ser detido por ter atirado para o alto, assustando um frentista, que riu de sua aparência.

No ano de 1998, Barrerito fundou o Trio Alto Astral, juntamente com Voninho e Creone, com quem voltou a formar uma dupla sertaneja. Chegaram a lançar um CD, intitulado Dor de Cotovelo, e a fazer aparições em alguns programas de TV, mas o trio não durou, pois Barrerito acabou falecendo neste mesmo ano, vítima de um infarto, aos 56 anos.

Em 2017, a gravadora Águia Music lançou o CD intitulado Barrerito Eternamente um Ídolo, composto por músicas inéditas resgatadas de uma fita K7.

Ícaro & Gilmar inovam o mundo da música sertaneja

A história de Ícaro & Gilmar, teve início na pequena cidade de Periquito, interior de Minas Gerais, onde após se conhecerem, os dois decidiram em montar uma banda de pop rock junto a outros amigos, ingressando para o universo musical.

Após algum tempo de trajetória, a banda acabou sendo desfeita, mas os dois seguiram em seus sonhos, passando a cantar canções sertanejas, onde ao se apresentaram em casas de amigos, Ícaro & Gilmar vinham que tinham encontrado o caminho certo para trabalhar no ramo musical.

Um dos primeiros sucessos da dupla é a música ‘Deus me Livre’, além de ’24 hora de amor’.

Atualmente a dupla reside em Goiânia, onde se concentra os maiores artistas do sertanejo, e mesmo longe de casa, a dupla segue o sonho de viver da música e vem ganhando espaço dentro do cenário, fazendo sucesso em quase todas as rádios do Brasil.

Mensagem de Reflexão

Diz uma linda lenda árabe que dois amigos viajavam pelo deserto, e em um determinado ponto da viagem discutiram. O amigo ofendido, sem nada dizer, escreveu na areia:

‘Hoje, meu melhor amigo me bateu no rosto’.

Seguiram e chegaram a um oásis, onde resolveram banhar-se. O que havia sido agredido começou a afogar-se, sendo salvo pelo companheiro. Ao recuperar-se, pegou um estilete e escreveu em uma pedra:

‘Hoje, meu melhor amigo salvou-me a vida’.

Intrigado, o amigo perguntou:

Porque depois que te bati, você escreveu na areia e agora que te salvei, escreveu novamente na pedra?

Sorrindo, o outro amigo respondeu:

Quando um grande amigo nos ofende, devemos escrever na areia, onde o vento do esquecimento e do perdão se encarregam de apagar. Porém, quando nos faz algo grandioso, devemos gravar na pedra da memória e do coração; onde vento nenhum do mundo poderá apagar.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x