16 de Abril de 2021

Dólar

Euro

Política

Jornal Primeira Página > Notícias > Política > Zé da Farmácia é alvo de ação por improbidade administrativa

Zé da Farmácia é alvo de ação por improbidade administrativa

Ministério Público pediu a perda da função e indisponibilidade de bens do Prefeito de Santa Cruz das Palmeiras

02/03/2021 16h37 - Atualizado há 1 mês Publicado por: Redação
Zé da Farmácia é alvo de ação por improbidade administrativa

O prefeito de Santa Cruz das Palmeiras, Zé da Farmácia, é alvo de Ação Civil Pública, movida pelo Ministério Público. O motivo é a compra de equipamentos de Saúde, para combater a pandemia de Covid-19, no ano de 2020. A partir do mês de junho de 2020, o Ministério Público começou a receber denúncias sobre irregularidades ocorridas nas mencionadas contratações. Segundo foi relatado, a Prefeitura tinha adquirido equipamentos usados pelo preço de itens novos.

A Prefeitura adquiriu ventiladores pulmonares, respiradores e cardioversores no valor total de R$ 227 mil. No curso da investigação, apurou-se que o município de Santa Cruz das Palmeiras comprou Ventiladores Pulmonares Vela usados, pagando preços superiores aos ostentados por produtos novos.

Para o Ministério Público, agente público que comete erro grosseiro, imperdoável, viola o dever de lealdade à instituição que está servindo, dever este que vai além da simples obrigação de ser honesto. O dever de lealdade implica em servir com fidelidade, cuidado e eficiência que compõem a ética da boa gestão, e constitui ônus da investidura em cargo público.

Desta forma, o Ministério Público ressaltou que o dolo do prefeito municipal é inequívoco. “O prefeito é o ordenador de despesas. É ele quem autoriza o início do procedimento e quem homologa o seu resultado final. Não há como justificar sua ignorância no ocorrido, já que: autorizou o início das tratativas; justificou e ratificou a dispensa da licitação; e apôs sua assinatura nos contratos”.

Por fim, o Ministério Público pediu que os bens dos denunciados na Ação, inclusive do prefeito, sejam colocados em indisponibilidade, no valor de R$ 327 mil, para ressarcimento integral dos danos causados ao erário. Além disso, a pediu perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

Recomendamos para você

Comentários

Assinar
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
0
Queremos sua opinião! Deixe um comentário.x
()
x